Veja Também

Veja Também

quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

RESENHA DA BOLSA - QUINTA-FEIRA 14/12/2017

ÁSIA: Os mercados asiáticos fecharam em ligeira baixa na sua primeira sessão após o anúncio do Federal Reserve de elevar as taxas de juros dos EUA pela terceira vez em 2017.  Ações financeiras pressionaram alguns mercados de ações. O índice de ações da MSCI para Ásia-Pacífico, excluindo o Japão, aumentou 0,12%.

O Nikkei 225 apagou ganhos iniciais para deslizar 0,28%, fechando em 22.694,45 pontos. Nomes relacionados à energia avançaram, enquanto fabricantes de automóveis fecharam em baixa, assim como a maioria das "techs" e bancos. Mitsubishi UFJ Financial Group e Mizuho caíram cerca de 2,5% cada seguindo declínios dos rendimentos do Tesouro dos EUA, assim como o fortalecimento do iene.

Do outro lado do estreito coreano, o Kospi fechou 0,45% menor, depois de aumentar mais de 1% na parte da manhã. Os chamados "stocks relacionados com THAAD" escalaram pela segunda sessão direta. Entre essas ações, incluem varejistas e nomes relacionadas à consumo, que tendem a ser atingidos quando as tensões entre a China ea Coreia do Sul aumentam, principalmente após a implantação do sistema de defesa de mísseis THAAD por parte de Seul. Lotte Shopping subiu 0,5%, embora LG Household subisse 1,61% no final da sessão.

As blues chips do setor de tecnologia e montadoras recuaram. Samsung Electronics terminou 0,51% menor e Hyundai Motor caiu 0,66%. Esses movimentos ocorrem durante a visita de quatro dias do presidente sul-coreano Moon Jae-in à China. Executivos de grandes empresas coreanas, incluindo Hyundai e LG, também participam da reunião bilateral.

Abaixo, o ASX 200 da Austrãlia escorregou e terminou em queda de 0,17%. Foram vistos ganhos em ações de recursos, enquanto os fundos de investimento imobiliário e utilitários deslizaram. As principais mineradoras fecharam sem direção, com BHP avançando 0,4% e Rio tinto deslizando 0,3%. O setor bancário fortemente ponderado tiveram pouca alteração.

O Índice Hang Seng caiu 0,19%, com ganhos do setor imobiliário sendo compensado ​​por perdas nas ações relacionadas à consumo. A Autoridade Monetária de Hong Kong anunciou nesta quinta-feira que aumentou sua taxa básica de 25 pontos básicos para 1,75%, após a decisão do Fed de elevar a taxa pelo mesmo valor.

Os mercados continentais também acabaram ligeiramente mais suave depois que o Banco do Povo da China elevou a taxa de ação reversa e a taxa de empréstimo a médio prazo em 5 bps. O Shanghai Composite perdeu 0,29% para terminar em 3.293,58 pontos. As ações financeiras estavam entre os setores com pior desempenho.

Os mercados também digeriram uma quantidade de dados divulgada pela manhã. O crescimento de investimentos em ativos fixos veio em linha com as expectativas de 7,2%, segundo a Reuters. A produção industrial aumentou 6,1% em novembro, acima da previsão de 6%, enquanto as vendas no varejo aumentaram 10,2% no mês passado em comparação com um ano atrás, atendendo às expectativas.

O índice Straits Times de Singapura caiu 0,81%, com os grandes bancos do país caindo 2%, devolvendo parte de ganhos recentes.

Os bancos centrais nas Filipinas e Indonésia se encontrarão nesta quinta-feira. 

EUROPA: A maioria das bolsas europeias operam em ligeira baixa na manhã de quinta-feira, enquanto investidores reagem pela primeira vez à decisão da Reserva Federal dos EUA de aumentar as taxas de juros e aguardam a decisão de política monetária do BCE e BoE. Os investidores provavelmente acompanharão os comentários do presidente do BCE, Mario Draghi, sobre a economia da zona do euro e, por sua vez, os pontos de vista do governador da BOE Mark Carney sobre a Brexit sobre quaisquer potenciais incentivos. 

Os investidores estarão atentos à mais sinais sobre as taxas de juros, projeções para o crescimento econômico e inflação e se as medidas de estímulo do banco serão mais afuniladas após setembro de 2018. O banco central em outubro disse que reduziria para metade o seu programa agressivo de compra de títulos para 30 bilhões de euros, ante € 60 bilhões a partir do mês seguinte.

O  pan-europeu Stoxx 600 caiu cerca de 0,15% durante os primeiros movimentos, liderado por perdas nos setores financeiro e tecnológico, mas os setores de telecomunicações e serviços públicos movem-se para cima. Na quarta-feira, o índice de referência caiu 0,2%, recuando de seu fechamento mais alto desde 8 de novembro. 

O FTSE 100 do Reino Unido recua, com investidores digerindo uma derrota do projeto de lei do governo sobre o Brexit. No final da quarta-feira, a câmara baixa do Reino Unido votou para alterar o projeto de lei sobre o Brexit para dar aos deputados, o poder de rejeitar o acordo final de divórcio celebrado com Bruxelas. O governo advertiu que a medida poderia comprometer uma saída mais suave da UE em março de 2019.

O voto, que foi uma emenda ao projeto emblemático do Brexit de May, veio após uma rebelião de 11 membros de seu próprio Partido Conservador. O revés para o governo ocorre antes da reunião de líderes da UE, incluindo May, em Bruxelas na quinta e sexta-feira, onde o Brexit é um dos destaques na agenda. Espera-se que o grupo dê luz verde para conversas do divórcio passar para a segunda fase. A libra caiu depois da votação na quarta-feira, mas recuperou-se na manhã desta quinta-feira. O índice segue para a segunda queda consecutiva, pressionada pelo avanço da libra frente ao dólar e euro. 

Os investidores também seguem de olho na última reunião de política monetária do Banco da Inglaterra do ano, mas depois de aumentar as taxas pela primeira vez em uma década em novembro, o BOE deve manter sua política estável neste momento.

A mineradora de metais preciosos Randgold Resources sobe 1,47%, seguindo o avanço do ouro. Outras mineradoras também avançam. Anglo American sobe 0,6%, Antofagasta sobe 0,7%, BHP Biliton sobe 1,1% e Rio Tinto adiciona 0,9%.

O Banco Nacional da Suíça manteve a taxa em 0,75% negativo, atendendo às expectativas.

EUA: 

11h30 - Retail Sales (mede as vendas totais do mercado varejista, desconsiderando o setor de serviços) e o Core Retail Sales (exclui as vendas de automóveis e gás);
11h30 - Import Prices (preços de bens importados, excluindo petróleo);
11h30 - Unemployment Claims (número de pedidos de auxílio-desemprego);
12h45 - Flash Manufacturing PMI (estimativa referente ao nível de atividade industrial nos Estados Unidos);
12h45 - Flash Services PMI (estimativa inicial do Índice PMI, fornecendo indicadores precedentes para dados finais do PMI de Serviços). É um dos primeiros indicadores econômicos de cada mês, fornecendo evidências de mudanças nas condições econômicas. 
13h00 - Business Inventories (relatório sobre as vendas e os estoques do setor atacadista);

ÍNDICES FUTUROS - 7h30:
Dow: +0,17%
SP500: +0,13%
NASDAQ: +0,17%

OBSERVAÇÃO:
Este  material é um trabalho voluntário, resultado da compilação de dados divulgados em diversos sites da internet que são aqui resumidos de maneira didática para facilitar e agilizar a compreensão do leitor. O texto da sessão asiática está no tempo passado e a europeia no presente devido ao horário em que este relatório é redigido. Atentem-se para o horário de disponibilização dos dados.

quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

RESENHA DA BOLSA - QUARTA-FEIRA 13/12/2017

ÁSIA: A maioria dos mercados asiáticos fechou em território positivo nesta quarta-feira, enquanto o dólar subia após a projeção de uma vitória democrata no Alabama. Os investidores também aguardavam a conclusão da reunião de política de dois dias do Federal Reserve.

Embora o Nikkei 225 tenha fechado 0,47% menor, em 22.758,07 pontos, houve ganhos entre algumas montadoras e a maioria das ações do setor financeiro. "Players" relacionados à energia recuaram, enquanto as ações de tecnologia fechou de forma mista. SoftBank caiu 0,84% e Sharp subiu 1,59%.

Atravessando o Estreito da Coreia, o índice Kospi de referência da Coreia do Sul subiu 0,79% para fechar em 2.480,55 pontos enquanto o presidente sul-coreano Moon Jae-in iniciou uma viagem de quatro dias para a China. O programa de armas da Coreia do Norte e a implantação do sistema de defesa de mísseis THAAD por parte e Seul devem estar na agenda durante a viagem. 

As ações denominadas "THAAD-relacionadas", nome dado às ações sul-coreanas que foram atingidas quando a China retaliou o país cortando o turismo, subiu na quarta-feira: Lotte Shopping fechou 1,26%, Amorepacific ganhou 2,57% e Korean Air Lines disparou 6,77% no final da sessão. Enquanto isso, as perdas em pesos pesados ​​de tecnologia foram compensadas por ganhos em ações de siderurgias e automóveis. Samsung Electronics caiu 1,5%, SK Hynix perdeu 1,29% e Posco terminou 0,75% maior.

Em Sydney, o ASX 200 fechou em alta de 0,14%, em 6.021,8 pontos, com o Westfield avançando após notícias de uma oferta de aquisição para o gigante do ramo imobiliário. As perdas também foram observadas entre "players" relacionados à energia, utilitários e mineradoras de ouro.   

Os preços do ouro recuaram para uma mínima de quase cinco meses, enquanto os investidores se preparam para uma alta da taxa de juros nos EUA nesta semana e buscam pistas sobre novos aumentos por parte do Federal Reserve. O ouro caiu 0,1% para US $ 1240,64 a onça durante o horário asiático, depois de atingir a mínima desde 20 de julho em US $ 1.235,92. O metal amarelo é altamente sensível ao aumento das taxas de juros dos EUA. 

Metais Fortescue subiu 3%, para US $ 4,84, registrando um dos mais fortes desempenhos no ASX. O UBS lançou uma nota atualizando a produtora de minério de ferro para "comprar" com uma meta de preço de US $ 5,30. BHP Biliton subiu 0,5% após a notícia de alguns desenvolvimentos sobre os planos da mineradora de vender ativos de xisto mos EUA. Enquanto isso, Rio Tinto fechou em baixa de 0,2%.

O índice Hang Seng de Hong Kong subiu 1,49%, enquanto os mercados do continente reverteram as perdas iniciais para terminar a sessão em alta. O Shanghai Composite subiu 0,7% para fechar em 3.303,66 pontos e o Shenzhen Composite avançou 0,77% para terminar em 1.915,77 pontos.

EUROPA: Os mercados europeus operam ligeiramente mais baixos na manhã de quarta-feira, enquanto investidores aguardam o resultado da reunião de política de dois dias do Federal Reserve dos EUA. O pan-europeu Stoxx 600 cai 0,12%, com a maioria dos setores e principais bolsas em direções opostas.

Os mercados globais estão focados na conclusão da reunião de política monetária do Fed, onde é amplamente esperado um aumento das taxas de juros. A maioria dos observadores de mercado espera um aumento da taxa de 25 pontos base. Os investidores também estão a procura por pistas sobre como o  Fed processará possíveis mudanças no sistema fiscal dos EUA no futuro. Também são esperadas decisões de política monetária do BOE e do BCE na quinta-feira.

O FTSE 100 do Reino Unido tenta encontrar uma direção, com o índice de blue-chip pairando em torno de seu nível mais alto em mais de um mês. As ações financeiras, de serviços ao consumidor e de materiais básicos avançam, mas esse movimento é compensado por perdas nos setores de serviços públicos, industriais, de bens de consumo e de petróleo e gás. Na terça-feira, o índice subiu 0,6% para marcar o seu maior fechamento desde o dia 8 de novembro e a terceira alta consecutiva. A libra avança e é negociada a US $ 1,3325, ante US $ 1,3317 do final da terça-feira em Nova York.

O setor de varejo registra um dos melhores desempenhos na manhã de quarta-feira, com alta acima de 0,6% após relatórios de vendas recordes. O provededor de eletricidade e telefonia celular Dixons Carphone registrou uma queda nos lucros do primeiro semestre, visto que os consumidores estão segurando por mais tempo do que o previsto a troca de seus aparelhos celulares, no entanto, o presidente-executivo, Seb James, disse à BBC que o grupo atingiu um recorde histórico na "Black Friday" em todos os setores do grupo. As ações aumentam quase 8% com as notícias.

Entre as mineradoras listadas na LSE, Anglo American sobe 0,1%, Antofagasta avança 0,5%, BHP Biliton sobe 0,2% e Rio Tinto recua 0,1% neste momento. 

EUA: Os futuros de ações dos EUA operam em ligeira baixa após o democrata Doug Jones ganhar as eleições do Senado do Alabama na terça-feira à noite, derrotando o polêmico republicano Roy Moore e o fato é visto como uma repreensão para o presidente Donald Trump. Analistas dizem que a vitória democrata em um estado republicano impetuoso pode ser um precursor da política americana em 2018. A vitória diminuirá a maioria do Senado Republicano, deixando o saldo em 51 a 49. Isso suscitou preocupações de que será mais difícil para os republicanos obterem aprovações no legislativos, como a aprovada reforma fiscal.

Os investidores também olham para a decisão do Federal Reserve às 15h00, quando deverá gerar um aumento da taxa de juros. Após a conclusão da reunião de dois dias do Fed, a presidente Janet Yellen fará sua conferência de imprensa final como chefe do banco central às 15h30. Jerome Powell foi escolhido para pegar as rédeas como presidente em 2018.

11h30 - CPI - Consumer Price Index (Indicador mensal da inflação ao consumidor dos Estados Unidos) e de seu núcleo Core CPI (mensura os preços ao consumidor, com exceção dos custos relativos à alimentação e energia);
13h30 - Crude Oil Inventories (Relatório de Estoques de Petróleo dos Estados Unidos); 
15h00 - FOMC Economic Projections (previsões de crescimento do PIB); 
15h00 - Federal Funds Rate (Decisão da Taxa de Juros); 
15h00 - FOMC Statement (Declaração do FOMC);
15h30 - FOMC Press Conference (Discurso da Presidente do FED Janet Yellen).

ÍNDICES FUTUROS - 7h50:
Dow: -0,01%
SP500: -0,05%
NASDAQ: +0,05%

OBSERVAÇÃO:
Este  material é um trabalho voluntário, resultado da compilação de dados divulgados em diversos sites da internet que são aqui resumidos de maneira didática para facilitar e agilizar a compreensão do leitor. O texto da sessão asiática está no tempo passado e a europeia no presente devido ao horário em que este relatório é redigido. Atentem-se para o horário de disponibilização dos dados.

terça-feira, 12 de dezembro de 2017

RESENHA DA BOLSA - TERÇA-FEIRA 12/12/2017

ÁSIA: A maioria dos mercados asiáticos fechou em queda nesta terça-feira, com investidores cautelosos antes da reunião de dezembro do Federal Reserve.

O Nikkei 225 caiu 0,32%, para fechar em 22.866,17 pontos depois operar perto da linha plana no início do dia. Os ganhos foram vistos nos setores varejista e financeiro, já que as montadoras e as ações de tecnologia negociaram misturadas. 

Do outro lado do estreito coreano, o Kospi da Coreia do Sul recuou 0,42% para terminar em 2.461 pontos. As "techs" subiram, mas esses ganhos foram anuladas ​​por perdas observadas nas varejistas e ações relacionadas à energia. A gigante Samsung Electronics fechou 0,62%, mas Lotte Shopping caiu 3,41% ao final do dia.

Abaixo, o ASX 200 da Austrália subiu 0,25% para fechar em 6.013,2 pontos. Setor de energia subiu 1,26% após o aumento dos preços do petróleo. Santos ganhou 0,99%, Oil Search subiu 1,1% e Woodside subiu 1,7%. As mineradoras também tiveram um dia positivo. BHP Biliton subiu 1,5%, Fortescue Metals avançou 1,7% e Rio Tinto avançou 0,9%. Dentro do setor bancário, as ações da ANZ encerraram 1,12% maior, superando outras ações financeiras australianas, após notícias de que o banco venderia seu negócio de seguros de vida para a Zurich Financial Services Australia. A ANZ disse que a venda totalizaria 2,85 bilhões de dólares australianos (US $ 2,15 bilhões).

O índice Hang Seng de Hong Kong inverteu ganhos iniciais para deslizar 0,59%, enquanto os mercados continentais também recuaram. O Shanghai Composite caiu 1,24% para fechar em 3.281,01 pontos e o Shenzhen Composite perdeu 0,97% para terminar em 1.901,09 pontos. O índice CSI 300 das blue-chips caiu 1,32%.

Os novos empréstimos em yuan para novembro chegaram em 1,12 trilhão de yuans (US $ 169 bilhões), acima da previsão de 800 bilhões de yuans em uma pesquisa da Reuters, informou a agência de notícias.

EUROPA: As bolsas europeias abriram ligeiramente mais alto na manhã de terça-feira, com investidores monitorando as próximas reuniões políticas da Reserva Federal dos EUA e do Banco Central Europeu (BCE).

O pan-europeu Stoxx 600 abriu com cerca de 0,14% de alta, com a maioria dos setores e bolsas negociando em território positivo entre pequenas altas e baixas. 

A inflação do Reino Unido em novembro foi de 3,1%, a maior desde março de 2012, acima do alvo do Bank of England de 2% e acima da expectativa de 3% da Fastset. O banco central do Reino Unido divulgará a próxima decisão política na quinta-feira, mas não são esperadas alterações. As autoridades políticas liderados por Mark Carney elevaram a taxa de juros de referência pela primeira vez em uma década em novembro, em um quarto de ponto percentual, para 0,5%.

O índice FTSE 100 sobe 0,1%, mas opera entre altas e baixas. As ações de petróleo, gás, tecnologia e utilidades sobem, mas os grupos de serviços, consumo, financeiros e materiais básicos declinam.

Na segunda-feira, o benchmark de Londres subiu 0,8% para fechar em seu nível mais alto desde 28 de novembro. A libra avança e é negociado a US $ 1,3362, acima de US $ 1,3339 do final da segunda-feira em Nova York. A força na libra esterlina tipicamente pesa sobre os exportadores listados no FTSE 100, pois prejudica o valor das receitas provenientes do exterior. 

Ações dos produtores de petróleo sobem com os ganhos do petróleo, depois das notícias de que um grande oleoduto do Mar do Norte, The Forties, será paralisado por semanas para reparar um vazamento. O sistema de fornecimento traz suprimentos de mais de 80 campos de petróleo. Na terça-feira, Brent para entrega em fevereiro pulou mais de 1%, sendo negociado em torno de seu nível mais alto desde meados de 2015. Mais tarde, o American Petroleum Institute, após o fechamento do comércio europeu, lançará uma atualização semanal sobre os estoques de petróleo dos EUA. Entre as mineradoras, Anglo American cai 0,5%, Antofagasta recua 0,4%, Glencore perde 1% e Rio Tinto recua 0,9%.

EUA: 
11h30 - PPI ( é um indicador de inflação que mede a variação nos preços médios recebidos pelos produtores nacionais de bens e serviços, excluindo alimentos e energia) e de seu núcleo Core PPI de agosto (preços praticados por produtores);
17h00 - Federal Budget Balance (orçamento federal dos Estados Unidos); 

ÍNDICES FUTUROS - 7h50:
Dow: +0,05%
SP500: +0,02%
NASDAQ: +0,01%

OBSERVAÇÃO:
Este  material é um trabalho voluntário, resultado da compilação de dados divulgados em diversos sites da internet que são aqui resumidos de maneira didática para facilitar e agilizar a compreensão do leitor. O texto da sessão asiática está no tempo passado e a europeia no presente devido ao horário em que este relatório é redigido. Atentem-se para o horário de disponibilização dos dados.

segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

RESENHA DA BOLSA - SEGUNDA-FEIRA 11/12/2017

ÁSIA: Os mercados asiáticos fecharam em alta nesta segunda-feira, depois que dados mostraram que a economia dos EUA criou mais empregos do que o esperado no mês passado e o Reino Unido chegou a um acordo com a União Europeia em relação ao Brexit. Agora, os investidores concentram suas atenções no lançamento dos futuros de bitcoin e nas próximas reuniões do Federal Reserve e ECB para essa semana.

O Nikkei 225 do Japão fechou 0,56% maior, sustentada pela alta nas maioria das varejistas e montadoras de automóveis, enquanto as "techs" fecharam sem direção. Sony caiu 1,82% e SoftBank Group subiu 0,83%. 

Do outro lado do Estreito Coreano, o Kospi da Coreia do Sul reverteu as perdas iniciais para terminar 0,30% maior. As montadoras e algumas ações de tecnologia declinaram. Hyundai Motor caiu 5,36% e a Samsung Electronics diminuiu 0,42%. Samsung Heavy Industries anunciou que Joonou Nam será o novo CEO, após a renúncia de seu último executivo-chefe, afirmou a Reuters. As ações encerraram 1,31% menor depois de cair cerca de 10% na sessão anterior.

Abaixo, o ASX 200 da Austrália fechou 0,07% maior. Os subíndices de energia e materiais avançaram, enquanto os "stocks" de serviços públicos e de saúde recuaram. As principais mineradoras se beneficiaram dos números melhores do que o esperado dos dados de comércio da China na sessão anterior: Rio Tinto adicionou 0,40% e a BHP fechou 0,11% maior.

O índice Hang Seng de Hong Kong fechou em alta de 1,14%, impulsionado pelo forte desempenho dos cassinos, players relacionados à energia e pelo setor financeiro. Wynn Macau avançou 5% e HSBC Holdings adicionou 2%. Nos mercados continentais o dia também foi de ganhos. O Shanghai Composite subiu 1% e o Shenzhen Composite aumentou 1,49%, com o setor de tecnologia entre os com melhores performances nos mercados chineses.

A inflação ao consumidor da China cresceu 1,7% em novembro em relação ao ano anterior, em comparação com um ganho de 1,9% em outubro, disse o National Bureau of Statistics. Os preços dos alimentos caíram 1,1% em relação ao ano anterior, diminuindo pelo 10º mês consecutivo, após queda de 0,4% em outubro. Os preços não alimentares cresceram 2,5% ao ano, em comparação com o crescimento anual de 2,4% em outubro.

A leitura da inflação ficou aquém da expectativa de ganho de 1,8% por economistas. As autoridades políticas em Pequim esperam manter a inflação em cerca de 3% neste ano. No mês a mês, o IPC manteve-se inalterado em novembro em relação ao mês anterior. Em outubro, o índice subiu 0,1% em relação ao mês anterior. O índice de preços de produtores subiu 5,8% em novembro, ante um aumento de 6,9% em outubro. A leitura dos preços da fábrica veio em linha com a previsão dos economistas. O IPP aumentou 0,5% em novembro em relação ao mês anterior. Em outubro, ele cresceu 0,7% em relação ao mês anterior.

O bitcoin saltou após o início das negociações dos futuros da moeda digital. A criptomoeda foi negociado em US $ 16.587,84, de acordo com dados da Coindesk . Enquanto isso, o contrato de janeiro para futuros do bitcoin quebrou o nível de US $ 18.000 depois de abrir a sessão em US $ 15.460.

O Cboe Futures Exchange começou a operar em futuros de bitcoin sob o símbolo XBT. O Cboe é o primeiro dos mercados regulados nos Estados Unidos a oferecer um contrato de futuros para a criptomoeda. O site do Cboe Global Markets ficou temporariamente sobrecarregado quando os futuros da criptomoeda começaram a operar no domingo, mas a empresa disseque seus sistemas de negociação estavam "funcionando normalmente".

O Bitcoin ja saltou de mais de 1.600% desde o início do ano e fechou em US $ 16.700 em 7 de dezembro, apesar de ter atingido a marca dos US $ 19.000 pelo menos uma vez.

O dólar foi ligeiramente mais suave contra uma cesta de rivais, em 93,815, ante níveis abaixo de 93,300 observados na semana anterior. É esperada uma firmeza do dólar nesta semana, pois os mercados esperam uma alta da taxas de juros do Federal Reserve no final de sua reunião de dois dias na quarta-feira.

Entre outras moedas, o iene japonês firmou, negociando à 113,42 dólares. O dólar australiano negociou em US $ 0,7531 e o euro foi negociado em US $ 1,1785, durante o pregão asiático.

O dólar da Nova Zelândia reagiu depois que o ministro das finanças do país, Grant Robertson, disse em um comunicado que Adrian Orr assumirá o cargo de governador do Reserve Bank da Nova Zelândia. A moeda subiu mais de 1% para uma máxima de duas semanas em US $ 0,6922 por dólar americano. 

EUROPA: A maioria dos mercado europeus operam em anta nesta segunda-feira de manhã. Os investidores se concentram nas próximas reuniões de política monetária dos bancos centrais da Europa e EUA. O pan-europeu Stoxx 600 sobe 0,15%, com a maioria dos setores se movendo em território positivo.

O setor bancário operam em alta, com o HSBC e Commerzbank liderando os ganhos no setor. No caso específico do credor britânico, os ganhos são impulsionados pela notícia de que o Departamento de Justiça dos EUA reconheceu o progresso do HSBC no fortalecimento do seu programa de combate à lavagem de dinheiro, mas no geral, os ganhos no setor bancário são suportados pelas expectativas de taxas de juros mais elevadas.

No Reino Unido, o FTSE 100 segue negociando em torno de uma alta de duas semanas, liderado pelos setores de bens financeiros e de consumo. Na sexta-feira, o benchmark saltou 1%, registrando o maior ganho desde 28 de novembro. Durante toda a semana passada, o FTSE 100 subiu 1,3%.

A libra recua diante do euro e do dólar, na sequência das perdas de sexta-feira. Os analistas atribuem a queda da libra esterlina às expectativas de que o governo do Reino Unido avançará nas suas propostas sobre Brexit antes do encontro dos líderes da União Europeia na quinta e sexta-feira. A queda na libra esterlina normalmente fortalece ações de empresas multinacionais que fazem a maioria de seus ganhos no exterior. Uma libra mais fraca pode aumentar os lucros uma vez que eles são convertidos de outras moedas para libra esterlina.

Os investidores estão olhando para as atualizações de políticas monetárias do Banco da Inglaterra e do Banco Central Europeu na quinta-feira. Antes disso, o Federal Reserve dos EUA fará seu anúncio na quarta-feira, esperando um aumento de um quarto de ponto percentual da taxa de juros.

O movimento nos EUA é visto como um impulso para o setor bancário. O setor de mineração também avança em Londres. Anglo American sobe 1,8%, Antofagasta adiciona 2,5%, BHP Biliton sobe 1,8%, enquanto Rio Tinto opera em alta de 1,9%.

EUA: As ações dos EUA fecharam em alta na sexta-feira após o lançamento do relatório de empregos mais otimista do que o esperado. A economia dos EUA adicionou 228 mil empregos no mês passado, de acordo com o Bureau of Labor Statistics. Os economistas esperavam um ganho de 200 mil. A taxa de desemprego manteve-se estável em 4,1%. Os ganhos horários médios, um componente observado de perto pelo Fed, aumentaram 0,2% em novembro e 2,5% no ano. Os economistas esperavam um aumento mensal de 0,3% e 2,7% no ano. Segundo analistas, o Fed pode tirar parte da pressão de manter sua previsão de três aumento de sua taxa no próximo ano se os salários suavizarem. O Federal Reserve deve se reunir nesta semana, com analistas esperando que o banco central eleve as taxas de juros na quarta-feira.

ÍNDICES FUTUROS - 7h50:
Dow: +0,15%
SP500: +0,05%
NASDAQ: +0,14%

OBSERVAÇÃO:
Este  material é um trabalho voluntário, resultado da compilação de dados divulgados em diversos sites da internet que são aqui resumidos de maneira didática para facilitar e agilizar a compreensão do leitor. O texto da sessão asiática está no tempo passado e a europeia no presente devido ao horário em que este relatório é redigido. Atentem-se para o horário de disponibilização dos dados.

sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

RESENHA DA BOLSA - SEXTA-FEIRA 08/12/2017

ÁSIA: Os mercados asiáticos fecharam em alta nesta sexta-feira, enquanto os mercados digeriam dados comerciais chineses melhores do que o esperado e o movimento do dólar.

O Nikkei do Japão avançou 1,39%, para fechar em 22.811,08 pontos, recuperando de uma queda de quase 2% no meio da semana. O iene mais fraco também proporcionou suporte para a alta do benchmark, negociado acima do nível 113 por dólar. Os fabricantes de automóveis, ações de tecnologia e varejistas registraram ganhos.

O PIB do Japão no terceiro trimestre foi revisado para cima, a 2,5%, ante estimativa preliminar de 1,4%. Em termos trimestrais, a economia cresceu 0,6% em relação ao trimestre anterior, ante previsão de 0,4%. Após o lançamento, o dólar era negociado a 113,44 ienes, acima dos 113,07 do fechamento de quinta-feira. Segundo analistas, a melhora do PIB japonês "deve aumentar ainda mais o apetite ao riscos, acrescentando que a recuperação nas últimas sessões se deve aos progressos com a reforma tributária dos EUA.

Do outro lado do Estreito Coreano, o Kospi da Coreia do Sul avançou 0,08% para terminar em 2.646 pontos, com ganhos nas ações da indústria pesada compensam as perdas observadas nas montadoras. A Samsung Electronics e a SK Hynix recuaram 2,48 e 3,55%, respectivamente. Hyundai Motor caiu 1,86% e a siderúrgica Posco caiu 0,6%. Samsung Heavy mergulhou 11,16% no final do dia após uma declaração do governo sul coreano sobre como irá abordar empresas com dívidas.

Abaixo, o ASX 200 subiu 0,28% para terminar em 5.994,37 pontos, com ações relacionadas à energia subindo na sequência da melhora dos preços do petróleo. Oil Search ganhou 0,97%, Beach Energy adicionou 5,29% e Santos subiu 0,81% ao final do dia. Os bancos registraram ganhos enquanto as principais mineradoras fecharam misturados.

Os mercados da China tiveram um dia positivo. O índice Hang Seng de Hong Kong subiu 1,19%, sustentado pelas ações do setor financeiro e imobiliário. O setor de tecnologia também ajudou nos ganhos do índice mais amplo, subindo 3,57%. AAC Technologies aumentou 5,1%.

No continente o setor de tecnologia também registrou desempenho positivo. O Shanghai Composto subiu 0,55% e o Shenzhen Composite avançou 1,24%.

Os dados de comércio divulgados na sexta-feira superam as previsões. As exportações chinesas em dólares aumentaram 12,3% em novembro em relação a um ano atrás, superando a previsão de 5% em uma pesquisa da Reuters. Enquanto isso, as importações nominadas em dólares para o mês aumentaram 17,7%, acima da projeção de um aumento de 11,3%.

EUROPA: As bolsas europeias sobem nesta sexta-feira, com investidores aliviados depois que o Reino Unido e a União Europeia chegaram a um acordo sobre as negociações com o Brexit, abrindo caminho para a próxima fase das negociações.

Os bancos se beneficiam com as novidades do Brexit e depois que autoridades financeiras globais finalmente assinaram um acordo na quinta-feira para harmonizar as regras bancárias.

O pan-europeu Stoxx Europe 600 sobe 0,89% e segue em curso para o seu maior fechamento desde 11 de novembro. Além dos bancos, o setor de tecnologia lideram os ganhos no pan-índice, enquanto os grupos de petróleo, gás e bens de consumo lideram a baixa. Na quinta-feira, o índice terminou ligeiramente maior. Para a semana, o Stoxx 600 segue de olho num aumento de 1,4%, após a queda de 0,7% na semana passada.

Em Frankfurt, DAX 30 salta 1,35% e em Paris, o CAC 40 ganha 0,5% e o IBEX 35 da Espanha avança 1,02% em Madrid.

Em Londres, o FTSE 100 adiciona 0,34%, numa sequência de altas e baixas, com ações financeiros e recursos básicos estavam liderando os ganhos, mas os grupos de petróleo e gás, consumidores e utilitários operando no vermelho. Na quinta-feira, o índice de referência caiu 0,4%. Para a semana, o índice de blue-chip segue em curso para subir 0,2%, depois de cair 1,5% na semana passada.

Barclays sobe 3,42%, Lloyds Banking Group dispara 4,11% e Royal Bank of Scotland adiciona 1,60%. Em movimentos mais modestos, Standard Chartered sobe 0,49% e HSBC Holdings aumenta 0,98%. As mineradoras também recuperam das recentes quedas após dados mostrarem que as exportações e importações chinesas cresceram em outubro. As empresas chinesas são compradores importantes de metais industriais e preciosos. Fresnillo ganha 0,63%, Glencore avança 0,83%. Entre as gigantes, BHP Biliton sobe 0,75% e Rio Tinto opera em alta de 0,21%.

O  FTSE 100 sofre pressão da força da libra, já que cerca de 75% da receita das empresas listadas no índice de Londres são geradas no exterior. Jean-Claude Juncker, presidente da Comissão Europeia, disse no início desta sexta-feira que houve "progresso suficiente" nas três questões fundamentais que fizeram com que as negociações do Brexit avancem para o próximo estágio. O anúncio vem depois que uma noite de negociações intensas para a primeira-ministra britânica, Theresa May, que conseguiu resolver a questão final, a fronteira irlandesa, que precisava satisfazer o lado da UE. O próximo passo da próxima etapa ocorrerá entre 14 e 15 de dezembro, quando as autoridades da UE se reúnem novamente. O avanço para a segunda etapa das negociações reduz as chances de o Reino Unido sair do bloco sem um acordo em 2019.

EUA: Ações de tecnologia se preparam para continuar sua recuperação nesta sexta-feira, já que os futuros da Nasdaq superam os demais benchmarks. Os investidores também esperam o relatório de empregos mensais dos EUA, devido antes da abertura dos mercados.

A recuperação dos "stocks" de tecnologia que começou na quarta-feira e parece disposta a continuar nesta sexta-feira. O setor de tecnologia é uma dos setores com maior crescimento nos EUA e o Nasdaq já subiu 27% no acumulado do ano, superando o S & P e o Dow.

Nesta sexta-feira, os investidores acompanham as notícias de que o Senado e a Casa Branca aprovaram na quinta-feira, uma lei de financiamento para duas semanas, impedindo o fechamento do governo. O projeto de lei agora segue para o presidente Donald Trump sancionar, o que deve acontecer nesta sexta-feira. O projeto de lei de emergência dará aos líderes do Congresso mais tempo para discutir um acordo de longo prazo.

AGENDA DO INVESTIDOR:
Entre os dados a serem divulgados, destaque para o relatório de empregos dos EUA, nonfarm payrolls, que será divulgado antes da abertura dos mercados, às 9h30. Os economistas esperam que 200 mil empregos tenham sidos adicionados à economia dos EUA no mês passado e que a taxa de desemprego que ainda está em uma baixa de 17 anos, suba 4,1%. Prevê-se que a média de ganhos horários tenham aumentado 0,3%, em relação a uma leitura estável em outubro.

Uma leitura sobre o sentimento do consumidor em dezembro está programada para ser divulgado às 11h00, assim como o relatório sobre estoques de atacado para outubro. 

Não há discursos de autoridades do Federal Reserve para esta sexta-feira.

ÍNDICES FUTUROS - 9h00:
Dow: +0,20%
SP500: +0,20%
NASDAQ: +0,50%

OBSERVAÇÃO:
Este  material é um trabalho voluntário, resultado da compilação de dados divulgados em diversos sites da internet que são aqui resumidos de maneira didática para facilitar e agilizar a compreensão do leitor. O texto da sessão asiática está no tempo passado e a europeia no presente devido ao horário em que este relatório é redigido. Atentem-se para o horário de disponibilização dos dados.

quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

RESENHA DA BOLSA - QUARTA-FEIRA 06/12/2017


ÁSIA: Os mercados da Ásia caíram acentuadamente nesta quarta-feira, com setores de tecnologia e mineração adicionando pressão aos mercados. O apetite ao risco continuou a diminuir durante a sessão asiática após os principais índices de Wall Street registrarem novas perdas.

Investidores parecem cautelosos em vista à novas incertezas com o Brexit e o potencial encerramento parcial do governo dos EUA na sexta-feira, se as negociações falharem. A maioria republicana do Congresso dos Estados Unidos acredita que vai conseguir evitar o bloqueio do governo e dos serviços públicos caso o financiamento federal não for renovado antes da sexta-feira.

O Nikkei 225 do Japão caiu 1,97%, para 22.177,04 pontos, a maior queda percentual diária desde o final de março, enquanto o índice Topix diminuiu 1,43%, para 1.765,42 pontos. A fraqueza das ações de commodities e ganhos do iene pressionaram os mercados. O dólar americano caiu para ¥ 112,40, ante ¥ 112,60 do dia anterior. O subíndice de mineração do Topix terminou a sessão em baixa de 1,5%, enquanto o grupo de ferro e aço caiu 1,2%.

Do outro lado do Estreito Coreano, o Kospi da Coreia do Sul caiu 1,42%, para 2.474,37 pontos. As ações da Samsung Heavy Industries mergulharam 28,89% após a empresa dizer que estava planejando uma oferta pública de 1,5 trilhões de won coreano (US $ 1,38 bilhões) em maio de 2018. A oferta tem como objetivo melhorar a estrutura financeira da empresa e alocar novas ações aos acionistas existentes. A Reuters também informou que a empresa espera uma perda operacional de 240 bilhões de won (US $ 220 milhões) no próximo ano, ante 490 bilhões neste ano.

O ASX 200 da Austrália caiu 0,44%, em 5.945,7 pontos, com os setores de materiais e energia recuando 1,66 e 1,57%, respectivamente. Entre as mineradoras, Rio Tinto caiu 2,47%,  Fortescue Metal caiu 1,29% e a BHP perdeu 1,98%. South32 deslizou 4,14%.

A economia da Austrália cresceu 0,6% em termos dessazonalizados para o trimestre de setembro, após um aumento de 0,9% no período de abril a junho, de acordo com o Bureau of Statistics do país. Esse número ficou ligeiramente abaixo das previsões do mercado, de um crescimento de 0,7% no trimestre. Na terça-feira, o Reserve Bank of Australia manteve sua taxa de juros inalterada em um recorde de 1,5%. Em sua declaração de política, o banco central disse que espera que a economia cresça em média cerca de 3% nos próximos anos, com uma perspectiva melhorada para o investimento de empresas não mineradoras e o aumento do investimento em infraestrutura pública.

Os futuros de cobre caíram 3,1% no comércio dm Xangai, seguindo os declínios nos preços de Londres. Alguns analistas atribuíram o declínio à realização de lucro no mercado.

Em Hong Kong, o índice Hang Seng caiu 2,15%, para 28.222,06 pontos, enquanto no continente, composto de Shanghai caiu 0,29%, enquanto o composto de Shenzhen avançou 0,67%.

O setor de tecnologia pesou na região. Em Tóquio, a fornecedoras da maçã, Alps Electric caiu 3,15%, enquanto o índice Taiex de Taiwan, composta basicamente por "techs", recuou 1,64%, próximo das mínimas de três meses.

Empresas de tecnologia também recuaram em Hong Kong. AAC Technologies Holdings deslizou 7,28% e Sunny Optical Technology Group despencou 12,45%. A gigante Tencent Holdings fechou em baixa de 2,66% após forte retração nas últimas duas semanas.

EUROPA: Os mercados europeus abriram em baixa na manhã de quarta-feira, enquanto os investidores monitoram os ganhos de empresas e os novos dados econômicos. O pan-europeu Stoxx 600 abriu 0,22% menor com todos os setores e principais bolsas em território negativo. Na sessão anterior da Europa, os mercados na região terminaram no vermelho em meio à incerteza em torno do Brexit.

A líder britânica Theresa May está enfrentando pressão de outros partidos políticos para amenizar as negociações mantendo o Reino Unido dentro da união aduaneira e do mercado único depois que a Grã-Bretanha deixar bloco econômico. Consequentemente, os investidores estão prestando muita atenção em relação à libra britânica durante a semana, já que segue os desenvolvimentos do Brexit.

O FTSE 100 do Reino Unido recua com ações de mineração liderando as perdas, podendo puxar o mercado de blue-chips de Londres para uma segunda sessão consecutiva de perdas. Na terça-feira, o índice recuou 0,2%, a quarta perda em cinco sessões. A libra é pressionada e é negociada a US $ 1,3438, ante US $ 1,3442 no final de terça-feira em Nova York. Contra o euro, também opera em baixa, sengo negociada a € 1,1339, ante € 1,1367 de terça-feira.

A queda das ações de mineração ocorrem na sequência das recentes perdas para os preços do cobre, em meio à preocupações com o aumento dos estoques e com a potencial diminuição da demanda da China, o que representa cerca de metade do consumo global de metal industrial.

Nesta quarta-feira, o cobre opera em ligeira alta, após recuar 4,7% no mercado da Comex na terça-feira. Ainda assim, as ações de mineração listadas em Londres seguem perdendo terreno. Glencore recua 0,97% e Antofagasta cai 1,24%. Rio Tinto perde 1,05% e BHP Billiton cai 0,86%.

As encomendas das fábricas alemãs em outubro aumentaram 0,5% no mês em termos ajustados, superando a previsão de analistas de uma redução de 0,5% na pesquisa do Wall Street Journal na semana passada. A leitura de setembro foi revisada para cima, mostrando um crescimento de 1,2%, ante 1,0% inicialmente. Em outubro, as encomendas estrangeiras aumentaram 0,5% no mês, enquanto as encomendas domésticas cresceram 0,4%. As encomendas estrangeiras da zona do euro diminuíram 1,2%, enquanto as encomendas de países não pertencentes à zona do euro aumentaram 1,6%, acrescentou. O DAX 30 da Alemanha também opera em baixa.

Em se tratando de moedas, o Bitcoin superou a marca de US $ 12.000 antes da abertura europeia, já que a crypto-moeda continuou a avançar.

EUA: Os futuros de ações dos EUA caem na manhã desta quarta-feira. As ações de tecnologia voltaram a ser pressionadas, depois que as vendas do setor entraram em erupção nos mercados asiáticos.

As bolsas dos EUA fecharam em baixas na terça-feira, lideradas por empresas de serviços públicos e telecomunicações. O índice S & P 500 fechou em baixa de 0,37%, o terceiro dia consecutivo de perdas. O Dow Jones Industrial Average caiu 0,45%. Invertendo os ganhos de cerca de 0,6% no início da sessão, o Nasdaq Composite terminou 0,19% menor. As "techs" tem sido alvo de vendas nesta semana, com os investidores preferindo realizar ganhos após fortes altas registradas ao longo do ano. A explicação para esse movimento se deve ao fato de que a revisão da legislação tributária possa ser prejudicial para o setor. O índice perdeu 1,25% nesta semana, superando uma perda de 0,2% para a Dow Jones Industrial Average e uma queda de 0,5% para o S & P 500.

No espaço político dos EUA, o presidente Donald Trump deverá anunciar que os EUA reconhecerão Jerusalém como a capital de Israel nesta quarta-feira , com altos funcionários do governo dizendo que a embaixada será mudada para lá, embora isso possa levar "anos". O movimento é controverso no Oriente Médio e tem sido criticado pela Turquia , entre outros.

AGENDA DO INVESTIDOR:
EUA:
11h30 - Revised Nonfarm Productivity (mede a produtividade da mão-de-obra da economia norte-americana, excluída a agropecuária)
11h30 - Revised Unit Labor Costs (mede o custo em dólar que as empresas pagam aos empregados);
13h30 - Crude Oil Inventories (Relatório de Estoques de Petróleo dos Estados Unidos);

ÍNDICES FUTUROS - 8h00:
Dow: -0,27%
SP500: -0,20%
NASDAQ: -0,44%

OBSERVAÇÃO:
Este  material é um trabalho voluntário, resultado da compilação de dados divulgados em diversos sites da internet que são aqui resumidos de maneira didática para facilitar e agilizar a compreensão do leitor. O texto da sessão asiática está no tempo passado e a europeia no presente devido ao horário em que este relatório é redigido. Atentem-se para o horário de disponibilização dos dados.

terça-feira, 5 de dezembro de 2017

RESENHA DA BOLSA - TERÇA-FEIRA 05/12/2017

ÁSIA: A maioria dos principais mercados da Ásia fechou em baixa na segunda-feira, enquanto os futuros dos EUA subiam, reflexo latente da aprovação da importante reforma tributária pelo Senado dos Estados Unidos. Um declínio global nas ações de tecnologia avançou pela Ásia, enquanto as preocupações com o Brexit também aumentam o pessimismo nos mercados globais.

No Japão, o Nikkei 225 caiu 0,37%, para 22.622,38 pontos, enquanto o índice Topix tornou-se positivo e fechou em alta de 0,23%, para 1.790,97 pontos. Do outro lado do Estreito Coreano, o Kospi da Coreia do Sul subiu 0,34%, para 2.510,12 pontos. Samsung Electronics caiu 0,19% em Seul, mas o setor siderúrgico do pais contrabalanceou o índice.

O Taiex de Taiwan caiu 0,79%, com o peso pesado Taiwan Semiconductor Manufacturing recuando 1,92%, enquanto o índice Hang Seng de Hong Kong caiu 1,01% e no continente chinês, o composto de Shanghai terminou 0,2% menor, em 3.303,04 pontos. O benchmark de Hong Kong também foi afetado pela queda das "techs", com a maior empresa do mercado, a Tencent Holdings recuando 3,19% enquanto o novo componente do índice, Sunny Optical despencou 5,68%.

O ASX 200 da Austrália caiu 0,23%, em 5.971,82 pontos. O subíndice financeiro fortemente ponderado recuou 0,49%, após o Reserve Bank of Australia manter sua taxa de caixa inalterada em uma baixa recorde de 1,5% durante a reunião de dezembro como amplamente esperado. Em um comunicado, o governador da RBA, Philip Lowe, disse que as condições econômicas globais melhoraram ao longo do ano, os mercados de trabalho se fortaleceram, mas o crescimento dos salários permaneceu baixo em muitos países, assim com a inflação. Lowe espera que o crescimento dos salários na Austrália permaneça fraco por "mais um tempo ainda, embora as condições no mercado de trabalho possam melhorar o crescimento dos salários ao longo do tempo". O comunicado acrescentou que o banco central espera que a economia australiana cresça, em média, cerca de 3% nos próximos anos, com uma perspectiva melhorada para o investimento de empresas não mineradoras e o aumento do investimento em infra-estrutura pública. O HSBC espera que o RBA comece a aumentar a taxa de caixa em meados do ano que vem.

Entre os "Big Four" do país, ANZ perdeu 0,99%, Commonwealth Bank baixou 0,23%, Westpac recuou 1,09% e National Australia Bank declinou 0,37%. Entre as mineradoras, BHP Biliton caiu 1%, Rio Tinto despencou 2,4%, enquanto Fortescue Metals fechou em ligeira alta de 0,4%. 

EUROPA: Os mercados europeus operam sem direção na manhã de terça-feira, com investidores digerindo as últimas notícias sobre o Brexit e monitoram novos dados econômicos. O pan-europeu Stoxx 600 cai 0,16% nos primeiros negócios da manhã com diversos setores e importantes bolsas apontando em direções opostas.

O setor de alimentos e bebidas da Europa lideram os ganhos logo após o sino de abertura, enquanto as perdas no setor de recursos básicos evitam um movimento ascendente. 

O FTSE 100 do Reino Unido, com o setor de bens de consumo e serviços, petróleo e gás e empresas financeiras marchando para cima após os dados sobre vendas no varejo e uma atualização de classificação para o Tesco, enquanto o setor de materiais básicos e tecnologia estavam perdendo terreno. O índice de referência subiu 0,5% na segunda feira. 

As ações de mineração recuam, mesmo após dos mostrarem que a atividade no setor de serviços da China expandiu em novembro, o que seria bom para a segunda maior economia do mundo, um importante comprador de metais preciosos e industriais. Anglo American recua 1,1%, Antofagasta perde 1,4%, Rio Tinto cai 1,1%, Glencore perde 1,6% e BHP Biliton cai 0,2%, enquanto a produtora de ouro Randgold Resources sobe 1,03%.

O mercado em geral também acompanha a libra, que recua, devido preocupações políticas. Uma retração contínua na libra ajuda as ações de empresas multinacionais, pois eles fazem a maior parte de seus ganhos no exterior. A libra foi sacudida segunda-feira após a primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May e o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, dizerem que não conseguiram chegar a um acordo sobre algumas questões do Brexit. Autoridades britânicas estão trabalhando para resolver alguns problemas antes que os líderes da UE se encontrem em uma reunião de cúpula entre 14 e 15 de dezembro.

EUA: 
11h30 - Trade Balance (balança comercial, mede a diferença entre os valores das importações e exportações realizadas pelo país);
12h45 - Final Services PMI (Índice PMI de Serviços);
13h00 - ISM Non-Manufacturing PMI (índice baseado em pesquisas com 400 empresas não industriais, em 60 setores em todo o país);

ÍNDICES FUTUROS - 8h00:
Dow: +0,24%
SP500: +0,09%
NASDAQ: -0,16%

OBSERVAÇÃO:
Este  material é um trabalho voluntário, resultado da compilação de dados divulgados em diversos sites da internet que são aqui resumidos de maneira didática para facilitar e agilizar a compreensão do leitor. O texto da sessão asiática está no tempo passado e a europeia no presente devido ao horário em que este relatório é redigido. Atentem-se para o horário de disponibilização dos dados.

segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

RESENHA DA BOLSA - SEGUNDA-FEIRA 04/12/2017

ÁSIA: Os mercados da Ásia negociaram misturados na segunda-feira, enquanto os futuros dos EUA subiam, após aprovação da importante reforma tributária pelo Senado dos Estados Unidos.

Na Austrália, o ASX 200 fechou em ligeira baixa de 0,07%, em 5.985,6 pontos, enquanto o subíndice financeiro pesadamente ponderado caiu 0,62%, com os chamados "Big Four" do país recuando devido investigação no setor bancário e industrial. As ações da ANZ diminuíram 1,01%, Commonwealth Bank recuou 0,32%, Westpac caiu 1,24% e National Australia Bank perdeu 0,51%. Em sentido contrário, as mineradoras tiveram um dia positivo. BHP Biliton subiu 1,8%, Fortescue Metals avançou 2% e Rio Tinto fechou em alta de 1,4%.

O Nikkei 225 do Japão caiu 0,49%, para 22.707,16 pontos, enquanto o índice Topix caiu 0,54%, para 1.786,87 pontos. O iene japonês foi negociado a 112,87 dólares, enfraquecendo a partir de 112,39 na sessão anterior. Apesar da relativa fraqueza do iene, alguns dos principais exportadores permaneceram sob pressão. Normalmente, um iene fraco é positivo para os exportadores japoneses, uma vez que aumenta sua receita no exterior quando convertidos de volta para a moeda local.

Atravessando o Estreito Coreano, o Kospi da Coreia do Sul se destacou de seus pares e fechou em alta de 1,06%, em 2.501,67 pontos, beneficiado pela recuperação das "techs".

Os mercados do continente chinês oscilaram entre ganhos e perdas ao longo da sessão. O composto de Shanghai fechou em queda de 0,22%, enquanto o composto de Shenzhen caiu 0,72%. Em Hong Kong, o índice Hang Seng reverteu perdas iniciais de cerca de 0,3% para subir 0,22%. O benchmark caiu todos os dias na semana passada, quando registrou seu primeiro rali de cinco sessões de baixa em 13 meses.

Em outros lugares, índices importantes da Indonésia e Índia também fecharam em alta.

EUROPA: Os mercados europeus operam em alta na manhã desta segunda-feira, enquanto os investidores digerem notícias da aprovação da reforma fiscal pelo Senado dos Estados Unidos no final de semana. 

O pan-europeu Stoxx 600 sobe cerca de 0,70% nos negócios matinais, com quase todos os setores e principais bolsas em território positivo. Na sexta-feira, o índice de referência caiu 0,7%. O índice DAX 30 da Alemanha salta 1,1% para 13.004,37 pontos, em curso para o maior aumento diário desde 1 de novembro. CAC 40 da França, IBEX 35 da Espanha e FTSE MIB da Itália também operam em alta.

O setor bancário é destaque de alta após progressos do Senado dos EUA durante o fim de semana. O Stoxx Europe 600 Bank Index avança 1,01%. O alemão Deutsche Bank ganha 0,89% e lidera o índice DAX 30. O Banco Santander sobe 1,22% na Espanha e  Société Générale da França sobe 1,78%.

O setor de automóveis da Europa, que tem uma grande exposição nos EUA, sobe mais de 1% na manhã de segunda-feira, depois que o Senado dos Estados Unidos aprovou a reforma tributária, pois o setor deve se beneficiar dos estímulos fiscais. 

Enquanto isso, Dialog Semiconductorcaiu lidera o fundo do índice de referência na manhã de segunda-feira. O fabricante alemão de microchip disse que seu principal cliente, a Apple, poderia optar por construir seus próprios chips de gerenciamento de energia, no entanto, a Dialog Semiconductor disse que não deve perder seu negócio de chips de energia da Apple em 2018. Suas ações recuam mais de 10%.

No Reino Unido, FTSE 100 sobe com setores industriais e financeiros liderando a alta. O índice caiu 0,4% na sexta-feira, registrando uma perda semanal de 1,5% na semana passada. A libra recua e é negociado em US $ 1,3444, ante US $ 1,3478 no final da sexta-feira em Nova York. Contra o euro, a libra é negociado a € 1,1330.

Em Londres, as ações do Barclays disparam 3,12%, as da HSBC Holdings avançam 1,01%, Royal Bank of Scotland Group opera em alta de 1,41% e Standard Chartered avança 1,12%. Lloyds Banking Group opera em alta de 0,83%. Entre as mineradoras, Anglo American sobe 0,5%, Antofagasta adiciona 1,2% e BHP Biliton sobe 1,7%.

Rio Tinto sobe 1,4%. A empresa de mineração nomeou Simon Thompson, um veterano com experiência na indústria de mineração, para suceder Jan du Plessis como presidente do próximo ano. Thompson é diretor da Rio Tinto desde 2014 e assumirá o cargo quando o Sr. du Plessis deixar o cargo em março de 2018, após cerca de nove anos como presidente.

Voltando ao tema Brexit, o mesmo deverá agitar o sentimento dos mercados na segunda-feira. Esta semana, os negociadores do Reino Unido e da União Europeia devem se encontrar e quebrar o impasse em torno das negociações. A UE deu a primeira-ministra britânica Theresa May até segunda-feira, para propor uma oferta mais abrangente em se tratando de certos problemas de divórcio com o Brexit. Segundo a Reuters, autoridades da UE e diplomatas disseram que estão mais otimistas de que um acordo possa ser atingido na segunda-feira, mas ainda estavam atentos aos possíveis problemas que possam surgir.

EUA: Os mercados de ações dos EUA se preparam para uma forte recuperação nesta segunda-feira, à medida que os futuros  do Dow Jones Industrial Average sobem mais de 200 pontos. Os ganhos surgiram após notícias políticas em Washington de que os republicanos do Senado aprovaram uma revisão abrangente do código tributário dos EUA.

Na frente econômica desta segunda-feira, uma leitura de pedido das fábrica para outubro está programada para ser lançado às 11h00.

ÍNDICES FUTUROS - 8h00:
Dow: +0,78%
SP500: +0,49%
NASDAQ: +0,29%

OBSERVAÇÃO:
Este  material é um trabalho voluntário, resultado da compilação de dados divulgados em diversos sites da internet que são aqui resumidos de maneira didática para facilitar e agilizar a compreensão do leitor. O texto da sessão asiática está no tempo passado e a europeia no presente devido ao horário em que este relatório é redigido. Atentem-se para o horário de disponibilização dos dados.

sexta-feira, 1 de dezembro de 2017

RESENHA DA BOLSA - SEXTA-FEIRA 01/12/2017

ÁSIA: Os mercados da Ásia fecharam sem direção nesta sexta-feira, apesar do fechamento inédito do Dow Jones, acima de 24.000 pontos pela primeira vez.

Na Austrália, o ASX 200 caiu 6.000 na primeira hora de negociação, mas o índice recuperou e fechou em alta de 0,33%, em 5989,8. Os principais bancos terminaram misturados. ANZ subiu 0,56%, Commonwealth Bank caiu 0,33% e  Westpac aumentou 0,29%. Entre as mineradoras, BHP Biliton e Rio Tinto avançaram 1% cada, enquanto Fortescue Metals recuou 1,1%.

O Nikkei 225 do Japão fechou em alta de 0,41%, em 22.819,03 pontos, enquanto o índice Topix terminou 0,25% maior, em 1.796,53 pontos.

Do outro lado do estreito coreano, o Kospi da Coreia do Sul recuou  0,04%, em 2.475,41 pontos.

Em Hong Kong, o índice Hang Seng devolveu os ganhos iniciais e fechou em queda de 0,35%. No continente chinês, as bolsas abriram com pouca confiança, mas, à tarde, o composto de Shanghai fechou com leve alta de 0,02%, enquanto o composto de Shenzhen obteve um ganho mais expressivo, de 0,78%Em outros lugares, o Índice de Gerentes de Compras da China Caixin de novembro, que se concentra nas pequenas e médias empresas do país, veio mais fraco do que o esperado .

EUROPA: Os mercados europeus operam em baixa na manhã desta sexta-feira, após a votação sobre a reforma tributária nos Estados Unidos ser adiada.

O pan-europeu Stoxx 600 recua quase 1%. O índice bancário da Europa cai no início da negociação, enquanto ganhos modestos nos preços da energia apoiaram o setor de petróleo e gás. Destaque negativo para Royal Mail que lidera o lado inferior do benchmark europeu, com queda de quase 4% logo após a abertura, após Deutsche Bank, Berenberg e Jefferies reduzir o preço-alvo de suas ações. Na parte superior do índice, Indivior sobe mais de 11% depois que a US Food and Drug Administration aprovou um de seus medicamento. A empresa farmacêutica do Reino Unido disse que o tratamento seria disponibilizado nos EUA nos primeiros três meses de 2018. 

No Reino Unido, o FTSE 100 opera em baixo, pesada por ações do setor bancário, levando o mercado de blue chips para uma potencial queda na semana. O setor de petróleo e o gás avança. Na sexta-feira, o indicador caiu 0,9% para uma baixa de dois meses.

Os investidores estão atentos ao movimento da libra, que segue sendo negociado acima de US $ 1,3500 contra o dólar americano. A força da libra esterlina pode pesar no FTSE 100, já que cerca de 75% da receita dos componentes do índice é gerada fora do Reino Unido. A libra valorizou na quinta-feira após o jornal The Times dizer que o Reino Unido estava perto de chegar a um acordo sobre a Irlanda do Norte com as autoridades da União Europeia, com objetivo de evitar uma "fronteira" entre o Reino Unido e a República da Irlanda.

No grupo bancário, Barclays cai 0,77%, HSBC recua 0,28%, Lloyds Banking Group perde 0,94% e Standard Chartered devolve 0,53%. O setor financeiro deve se beneficiar da reforma tributária dos EUA e o adiamento prejudica o sentimento sobre o setor.  Entre as mineradoras, Anglo American sobe 1%, mas Antofagasta cai 0,4%, Glencore perde 0,8% e Rio Tinto é negociado em baixa de 0,5%.

As ações do setor de petróleo e gás permanecem em alta, com Shell e a BP operando em alta, uma vez que a extensão dos cortes de oferta pela Organização de Países Exportadores de Petróleo continua a impulsionar os preços do petróleo.

EUA: Os futuros de ações dos EUA apontam para baixo, com investidores erraram cautelosos, aguardando a votação da reforma tributária.

Futuros do Dow Jones Industrial Average cai, depois de terminar acima da marca de 24.000 pela primeira vez na quinta-feira. Para a semana, o benchmark de blue-chip segue a caminho para um rally de 3%, que seria o maior salto semanal desde dezembro do ano passado.

Futuros do S & P 500 e do Nasdaq Index também operam com perdas. O S & P 500 soma um aumento semanal de 1,7%, enquanto o Nasdaq Composite Index segue para uma perda de 0,2% na semana. O índice da Nasdaq sofreu a maior queda em mais de três meses na quarta-feira, com investidores reequilibrando suas carteiras.

O crescente otimismo se deve pelo fato de que o Senado aprovaria a grande revisão fiscal,  que é vista como favorável aos mercados financeiros. A votação final sobre o projeto de lei era esperada para o final da quinta-feira, mas foi adiada para sexta-feira porque ainda falta uma série de questões a serem resolvidas. Entre as principais preocupações está a questão de como financiar os cortes de impostos. Na quinta-feira, o Comitê Conjunto de Tributação disse que o projeto de lei do Senado geraria mais de US $ 400 bilhões em receita ao longo de 10 anos através do crescimento econômico, mas isso não é o suficiente para compensar o custo de US $ 1,4 trilhão da medida.

O índice PMI de manufatura da Markit para novembro sairá às 10h45, seguida da leitura do ISM às 11 horas. As despesas de construção para outubro também são devidas às 11 horas, enquanto as vendas mensais de automóveis no mesmo mês será divulgada ao longo do dia.

ÍNDICES FUTUROS - 8h30:
Dow: -0,46%
SP500: -0,58%
NASDAQ: -0,87%

OBSERVAÇÃO:
Este  material é um trabalho voluntário, resultado da compilação de dados divulgados em diversos sites da internet que são aqui resumidos de maneira didática para facilitar e agilizar a compreensão do leitor. O texto da sessão asiática está no tempo passado e a europeia no presente devido ao horário em que este relatório é redigido. Atentem-se para o horário de disponibilização dos dados.

quinta-feira, 30 de novembro de 2017

RESENHA DA BOLSA - QUINTA-FEIRA 30/11/2017

ÁSIA: A maioria dos mercados asiáticos fechou em queda nesta quinta-feira, com ações de tecnologia na região recuando depois que as ações do setor dos EUA sofreram uma liquidação na quarta-feira. Os investidores da região também digeriram os números oficiais do PMI melhores do que o esperado da China.

O índice PMI oficial de manufatura da China chegou a 51,8 para novembro, acima da previsão de 51,4 dos economistas em uma pesquisa da Reuters. A leitura do PMI no setor de serviços chegou a 54,8, em comparação com 54,3 observados no mês passado.

Apesar dos números otimistas, os mercados da China continental também foram pressionados para baixo, com o Shanghai Composite diminuindo 0,61% e o Shenzhen Composite perdendo 0,9%. 

O setor de tecnologia estava entre os setores com pior desempenho no Índice Hang Seng, que caiu 1,51%, seguindo o "slide" nas ações de tecnologia dos EUA. O setor caiu 3%, enquanto ações de propriedade e jogos também declinaram.

O Nikkei 225 do Japão contrariou a tendência regional e subiu 0,57%, para fechar em 22.724,96 pontos, uma vez que as perdas nos principais nomes das tecnologias foram compensadas por ganhos nas ações financeiras. A Sony fechou em queda de 2,27% e a Nintendo terminou 2,23% menor. Os setores financeiros e varejistas subiram, com a Nomura Holdings avançando 3,03% no final do dia.

Na Coréia do Sul, o índice Kospi caiu 1,45% para terminar em 2.476,37 pontos, pesada pela queda  nas ações "techs". Samsung Electronics e SK Hynix, os dois maiores nomes do Kospi, fecharam em baixa de 3,42% e 6,8%, respectivamente.

Os investidores também digeriram a decisão do Banco da Coreia de aumentar as taxas de juros pela primeira vez em seis anos. O banco central subiu as taxas para 1,5%, ante 1,25%, em um movimento amplamente esperado pelos mercados. O won coreano caiu após a decisão do banco central. 

Abaixo, o ASX 200 da Austrália recuou 0,69%, para terminar em 5.969,89 pontos, com perdas nos setores de materiais, tecnologia e bancário arrastando o índice para baixo. O setor financeiro, fortemente ponderado, recuou depois que o governo disse que iria lançar uma investigação no setor. Os principais executivos dos chamados "Big Four" do país enviaram uma carta conjunta ao tesoureiro Scott Morrison, que pedia "uma investigação devidamente constituído" em uma tentativa de "restaurar a confiança" no setor . O Commonwealth Bank caiu 1,91% e a ANZ caiu 1,08%. Entre as mineradoras, BHP Biliton caiu 1,2%, Fortescue Metals recuou 0,7% e Rio Tinto fechou em baixa de 1,6%.

Os mercados filipinos permaneceram fechados para Bonifacio Day. Os mercados no Kuwait, Bahrein e  Emirados Árabes Unidos também ficaram fechados.

EUROPA: As bolsas europeias operam predominantemente em alta na manhã de quinta-feira. A queda nas gigantes de tecnologia dos EUA na sessão anterior, pesaram sobre os movimentos iniciais, enquanto os investidores dos mercados de petróleo permanecem cautelosos antes da reunião da OPEP.

Lideres da OPEP e produtores aliados se reúnem nesta quinta-feira em Viena, Áustria, para decidir sobre a política de produção de petróleo. Os analistas do setor esperam que a OPEP prolongue os cortes de oferta até o final de 2018, com o objetivo de apoiar os preços do petróleo e reequilibrar os mercados.

O pan-europeu Stoxx 600 abriu marginalmente positivo depois do sino de abertura com setores e grandes praças apontando em direções opostas.

O FTSE 100 do Reino Unido apresenta uma nova performance contrária sos mercados europeus, sofrendo pressão da libra que valoriza a medida que as negociações com o "Brexit" avançam. O índice acumula uma perda de 0,9% desde quarta-feira e negocia em torno de uma baixa de dois meses. Para novembro, o benchmark do Reino Unido segue a caminho para uma perda de 1,7%, que seria a maior queda mensal desde junho.

A libra está sendo negociado no seu nível mais alto em dois meses. A força da libra esterlina tende a pesar sobre o FTSE, já que cerca de 75% da receita dos componentes do índice são gerados fora do Reino Unido. O rali da moeda ocorre depois que o jornal The Times disse que o Reino Unido está perto de chegar a um acordo sobre a Irlanda do Norte com os negociadores do Brexit da União Europeia. A reportagem disse que as autoridades britânicas no início desta semana fizeram uma proposta para evitar a questão de fronteira entre o Reino Unido e a República da Irlanda.

A UE disse que precisava ver "progressos suficientes" sobre a fronteira irlandesa antes das negociações sobre um período de transição. Outras duas questões são os direitos dos cidadãos da UE e o tamanho da conta a ser paga pelo Reino Unido para deixar a UE. No início desta semana,  relatos da mídia disseram que Londres e Bruxelas acertaram um montante em cerca de US $ 50 bilhões, depois que a primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, aumentou significativamente a oferta britânica.

Esta evolução da saída e a questão da fronteira irlandesa é vista como um avanço nas negociações, que estava em um impasse, que por sua vez estava provocando receios de que o Reino Unido acabaria saindo da UE sem um acordo comercial. O jornal Times disse na quinta-feira que a UE está preparada para oferecer ao Reino Unido um período de transição de dois anos já em janeiro e isso seria "tremendamente" otimista para a libra esterlina.

Ainda em relação ao Reino Unido, os consumidores ficaram mais pessimistas quanto à situação econômica do país e suas próprias finanças em novembro. Uma pesquisa da GfK-UK mostrou que seu índice de confiança dos consumidores caiu em dois pontos para ficar em menos 1. Os preços das casas do Reino Unido subiram mensalmente 0,1% em novembro, em comparação com o crescimento de 0,2% de outubro e ante previsão de um ganho de 0,2%. 

Entre as mineradoras listadas na LSE, Antofagasta avança 0,3%, Glencore adiciona 0,7% e Rio Tinto sobe 0,6%.

A inflação francesa se fortaleceu em novembro pelo quarto mês consecutivo. Os preços ao consumidor na segunda maior economia da zona do euro subiram 0,1% em relação ao mês e 1,2% no ano, apoiados por uma aceleração dos preços de energia e serviços e um menor declínio nos preços dos produtos manufaturados, informou a agência de estatística Insee. Ainda assim, o aumento foi ligeiramente abaixo das expectativas dos economistas, que previram um aumento de 0,2% em relação ao mês e de 1,3% no ano.

O fortalecimento gradual da inflação sublinha um aumento na economia francesa ao longo do ano passado e proporciona um pouco de alívio ao Banco Central Europeu, que recentemente estendeu o seu programa de compras de ativos à medida que tenta impulsionar a inflação em direção ao seu objetivo de 2%. O IHPC da França, o índice de inflação observado de perto pelo BCE, subiu para 1,3% no ano em novembro, depois de subir 1,2% no ano em outubro, disse Insee. O CAC 40 da França opera em alta.

EUA: 
11h30 - Unemployment Claims (número de pedidos de auxílio-desemprego);
11h30 - Core PCE Price Index (renda individual dos cidadãos norte-americanos) e Personal Spending (gastos dos consumidores) e também o núcleo do Personal Consumption Expenditures - PCE (gastos pessoais dos americanos - medida de inflação mais acompanhada pelo Fed);
12h45 - Chicago PMI de agosto (mede o nível de atividade industrial na região); 

ÍNDICES FUTUROS - 8h00:
Dow: +0,24%
SP500: +0,13%
NASDAQ: +0,13%

OBSERVAÇÃO:
Este  material é um trabalho voluntário, resultado da compilação de dados divulgados em diversos sites da internet que são aqui resumidos de maneira didática para facilitar e agilizar a compreensão do leitor. O texto da sessão asiática está no tempo passado e a europeia no presente devido ao horário em que este relatório é redigido. Atentem-se para o horário de disponibilização dos dados.

quarta-feira, 29 de novembro de 2017

RESENHA DA BOLSA - QUARTA-FEIRA 29/11/2017

ÁSIA: A maior parte dos mercados asiáticos fechou em alta, com investidores ignorando o lançamento de um provável míssil balístico intercontinental norte coreano que teria pousado no Mar do Japão, de acordo com o Pentágono. O lançamento, o primeiro desde 15 de setembro, ocorre depois que os EUA classificou a Coreia do Norte como um país que apoia o terrorismo.

Após o lançamento, o presidente Donald Trump disse que os EUA "cuidarão" da situação. O primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe e Trump, também concordaram em aumentar sua cooperação, disse a Reuters, citando a mídia japonesa. A Coréia do Norte se pronunciou através da mídia local que seu novo ICBM era capaz de alcançar os EUA, mas que seu programa de armas não é uma ameaça aos países que não violem a soberania do país heremita.

O índice de ações da MSCI para a Ásia-Pacífico, excluindo o Japão, fechou ligeiramente superior, em alta de 0,24%.

O Nikkei 225 do Japão subiu 0,49%, fechando em 22.597,2 pontos. Os principais exportadores se beneficiaram da alta do dólar contra o iene. As vendas no varejo em outubro recuaram 0,2% em relação ao ano anterior, embora o índice permaneça em linha com o previsto em uma pesquisa da Reuters. Essa foi a primeira queda nas vendas de varejo anuais em um ano, disse a Reuters.

Atravessando o Estreito coreano, o índice Kospi da Coreia do Sul fechou em ligeira baixa de 0,05%, em 2.512,9 pontos, à medida que várias blue chips de tecnologia recuaram. O peso pesado da Samsung Electronics caiu 1,28%, enquanto as empresas sensíveis aos desenvolvimentos relacionados ao sistema anti-mísseis da THAAD fecharam em baixa: a Lotte Shopping caiu 2,34% e a LG Household and Healthcare perdeu 0,41% ao final do dia. As produtoras de cosméticos Amorepacific e Cosmax fecharam em alta de 1,45% e 4,88%, respectivamente, após a notícia de que a China deixaria as agências de viagens continuarem a vender pacotes turísticos para a Coreia do Sul.

Abaixo, o ASX 200 da Austrália terminou a sessão 0,45% maior em 6.011,12 pontos, com o setor financeiro subindo 0,62%. O setor de serviços públicos e varejistas também registraram ganhos no índice. As mineradoras também tiveram um dia de alta. BHP Biliton subiu 0,8%, Fortescue avançou 0,7%.

A maioria dos mercados da China sofreram algum tipo de pressão no início do dia, embora os índices do continente tenham terminado em território positivo. O Shanghai Composite avançou 0,13%, beneficiadas pela valorização das ações imobiliárias. O Shenzhen Composite adicionou 0,04%. Enquanto isso, índice CSI 300, que compõe as 300 mais importantes ações de Xangai, fechou a sessão mais baixa em 0,05% após registrar queda de cerca de 1% na sessão da manhã.

Enquanto isso, o índice Hang Seng de Hong Kong caiu 0,19%, após a taxa libor de um mês subir acima do nível de 1% na quarta-feira.

EUROPA: A maioria dos mercados europeus operam em alta na manhã desta quarta-feira, após picos recordes em Wall Street na sessão anterior. O pan-europeu Stoxx 600 sobe 0,6% durante o comércio matinal.

O índice bancário da Europa lidera os ganhos na sessão da manhã, com alta de 1,4% em meio à notícias de reestruturação. O Deutsche Bank disse que os planos de renovação do seu banco de investimento consumirá entre dois a três anos. O maior banco da Alemanha tem procurado se estabilizar depois de uma série de escândalos e ações judiciais no ano passado. Suas ações sobem 1,4%

As varejistas seguem sendo negociados em alta de 1,3% nos negócios matinais. O grupo de supermercados online do Reino Unido, Ocado é um dos melhores "players" do setor, sobe mais de 1% após ganhos de mais de 20% na sessão anterior. O HSBC elevou seu preço-alvo na manhã desta quarta-feira.

No Reino Unido, o FTSE 100 cai depois dos relatórios de que o governo britânico ofereceu uma quantia maior como parte do pagamento da separação com a União Europeia. Esse era um dos obstáculos para as negociações prosseguirem. O benchmark segue no caminho certo para a maior perda diária desde 15 de novembro. A libra salta para US $ 1,3417, ante US $ 1,3339 no final de terça-feira em Nova York, negociando em torno de seu nível mais alto desde o final de setembro. A força da libra esterlina tende a pesar sobre o FTSE, pois cerca de 75% da receita dos componentes do índice são gerados fora do Reino Unido. As mineradoras recuam em Londres. Anglo American cai 0,1%, Antofagasta perde 0,5%, BHP Biliton recua 1,3% e Rio Tinto opera em baixa de 1,2%.

O rali da libra esterlina vem depois de relatos da mídia de que o governo do Reino Unido ofereceu a Bruxelas US $ 59,36 bilhões. A primeira-ministra Theresa May disse em setembro que a Grã-Bretanha pagaria apenas 20 mil milhões de euros, mas a UE disse que o montante seria insuficiente. Um acordo sobre o projeto de lei indicaria que Londres e Bruxelas se aproximam de uma nova fase nas negociações. 

EUA: 
11h30 - Prelim GDP ((Estimativa para o Produto Interno Bruto dos EUA);
11h30 - Prelim GDP Price Index (Índice de Preços do PIB)
13h00 - Testemunho da presidente do Fed Janet Yellen;
13h00 - Pending Home Sales de Novembro (mostra contratos assinados de venda de imóveis usados nos Estados Unidos, porém ainda sem conclusão do negócio);
13h30 - Crude Oil Inventories (Relatório de Estoques de Petróleo dos Estados Unidos);
17h00 - Beige Book (Livro Bege do Federal Reserve - relatório sobre o desempenho atual da economia do país);

ÍNDICES FUTUROS - 8h00:
Dow: +0,20%
SP500: +0,01%
NASDAQ: -0,07%

OBSERVAÇÃO:
Este  material é um trabalho voluntário, resultado da compilação de dados divulgados em diversos sites da internet que são aqui resumidos de maneira didática para facilitar e agilizar a compreensão do leitor. O texto da sessão asiática está no tempo passado e a europeia no presente devido ao horário em que este relatório é redigido. Atentem-se para o horário de disponibilização dos dados.

terça-feira, 28 de novembro de 2017

RESENHA DA BOLSA - TERÇA-FEIRA 28/11/2017

ÁSIA: A maioria dos principais índices asiáticos fechou mesclado nesta terça-feira, seguindo um fechamento misturado em Wall Street na segunda-feira, com poucos dados econômicos importantes lançados durante a sessão. O índice de ações da MSCI para a Ásia-Pacífico, excluindo o Japão, recuou 0,05%.

O Nikkei 225 do Japão caiu 0,04%, em 22.486,24 pontos após uma sessão intermitente. A maioria dos principais exportadores, incluindo fabricantes de automóveis e "techs", recuaram. "Players" relacionados à energia também terminaram a sessão em baixa, seguindo a queda dos preços do petróleo, enquanto nomes relacionados à defesa, entretanto, fecharam em alta depois de manchetes dando conta que o Japão havia captado sinais de rádio que a Coreia do Norte poderia estar preparando um novo lançamento de míssil balístico. Hoya Machinery disparou 12,51% e Ishikawa Seisaku avançou 8,43% ao final do dia.

Do outro lado do estreito coreano, o Kospi da Coreia do Sul adicionou 0,25% para fechar em 2.514,19 pontos. O peso pesado Samsung Electronics reverteu as perdas iniciais e fechou em alta de 1,22% após cair mais de 5% na última sessão após um relatório do Morgan Stanley que rebaixou suas ações. Ainda no setor: SK Hynix caiu 0,6% e LG Display recuou 0,16%. 

Abaixo, o ASX 200 terminou 0,08% menor, em 5.984,25 pontos, pesada por uma queda de 1,33% no setor de telecomunicações. Os varejistas subiram, mas os principais mineiros terminaram o dia com perdas. Rio Tinto e o BHP recuaram 0,76 e 2,04%, respectivamente.

O Índice Hang Seng de Hong Kong sofreu uma ligeira pressão, com uma queda de 0,02%, após um relatório da South China Morning Post de que Pequim irá limitar a capital no "Stock Connect". Os fundos de investimento chineses que pretendem alocar menos da metade de seus fundos para o mercado de ações de Hong Kong serão aprovados, ante regras anteriores que permitiam alocações acima de 80%, disse o Post, citando fontes. As seguradoras recuaram. AIA caiu 2,58% e China Life Insurance caiu 1,88%.

Os mercados continentais recuperaram após terem sofrido pressões nas últimas sessões. O Shanghai Composite terminou a sessão 0,34% maior, em 3.333,66 pontos, enquanto o Shenzhen Composite subiu 1,35% para terminar em 1.918,32, quebrando uma série de três dias de perdas. Setores relacionados com consumidores e materiais tiveram ganhos, enquanto o setor financeiro teve o pior desempenho em ambos os índices.

EUROPA: As bolsas europeias operam ligeiramente positivas na manhã de terça-feira, enquanto os investidores procuravam planos de reforma tributária nos EUA e comentários da próxima cadeira do Federal Reserve. 

O pan-europeu Stoxx 600 avança 0,32%, liderado pelo setor bancário, depois que o Bank of England divulgou os últimos resultados de seus testes de estresse. Pela primeira vez desde 2014, nenhum dos bancos avaliados precisará aumentar um capital extra. O cenário dos testes incluiu riscos que poderiam ser associados ao Brexit, incluindo uma queda acentuada dos preços dos imóveis.

Ainda entre as notícias relacionadas ao setor, Societe Generale anunciou nesta terça-feira que fechará 15% das agências e cortar até 900 postos de trabalho na França até 2020, procurando acelerar sua transição em direção ao banco digital. As ações sobem ligeiramente nos negócios iniciais. O BBVA recebeu uma oferta de US $ 2,2 bilhões para sua unidade chilena do Bank of Nova Scotia e suas ações também sobem.

O setor de petróleo e gás também avançam com expectativas de que os membros da OPEP estenderão o acordo de redução de produção.

No Reino Unido, o FTSE 100 sobe pela primeira vez em quatro sessões, impulsionadas por uma alta da Royal Dutch Shell, o principal nome do setor de petróleo, depois de alegar que vai acabar com seu programa de dividendos a partir do quarto trimestre de 2017 e recomprará US $ 25 bilhões em ações entre 2017 e 2020.

OS banco caem em Londres, mesmo depois que o Banco da Inglaterra divulgou o resultado de seu teste de estresse. BHP Billiton recua 1,9% depois que a mineradora disse que está visando mais cortes nos custos na Austrália. O resto do setor também opera em baixa na LSE. Anglo American cai 1,5%, Antofagasta recua 1,3%, Glencore afunda 2,5% e Rio Tinto perde 1,3%;

Os investidores manterão um olho na reforma fiscal dos EUA. O Senado deve votar em uma conta fiscal nesta quinta-feira, que poderia ser um momento importante para as pretensões do presidente Donald Trump, entretanto, Jerome Powell, candidato a presidir a Reserva Federal no próximo ano, será sabatinado no Senado. Os mercados estarão à procura de comentários sobre a inflação.

De volta à Europa, o vice-primeiro-ministro irlandês resiste às chamadas para se demitir. O país poderia estar à beira de uma eleição geral em um momento crucial nas negociações relacionados ao Brexit.

EUA: 
11h30 - Goods Trade Balance (diferença entre exportação menos importação de bens);
11h30 - Prelim Wholesale Inventories (informações preliminares sobre as vendas e os estoques do setor atacadista).
13h00 - CB Consumer Confidence (mede o nível de confiança dos consumidores na atividade econômica. É um indicador importante, pois pode prever os gastos do consumidor, que é uma parte importante da atividade econômica);
13h00 - Richmond Manufacturing Index (consiste numa pesquisa com cerca de 100 fabricantes, determinando a saúde econômica do setor manufatureiro no distrito de Richmond).

ÍNDICES FUTUROS - 8h00:
Dow: +0,13%
SP500: +0,07%
NASDAQ: +0,02%

OBSERVAÇÃO:
Este  material é um trabalho voluntário, resultado da compilação de dados divulgados em diversos sites da internet que são aqui resumidos de maneira didática para facilitar e agilizar a compreensão do leitor. O texto da sessão asiática está no tempo passado e a europeia no presente devido ao horário em que este relatório é redigido. Atentem-se para o horário de disponibilização dos dados.